As diferenças hormonais entre homens e mulheres

O homem como referência é mais alto e mais pesado, seu esqueleto pesa mais, possui maior volume de massa muscular e menor porcentagem de gordura corporal em relação à mulher.

Essas diferenças são esclarecidas na maioria das vezes por fatores biológicos e hormonais. Durante a puberdade, a hipófise anterior começa a secretar os hormônios folículo estimulante (FSH) e luteinizante (LH). Nas mulheres, quando quantidades normais de FSH e LH são secretadas, os ovários se desenvolvem e inicia a secreção de estrogênio. Nos homens, esses hormônios ajudam no desenvolvimento dos testículos que secretam a testosterona.

O estrogênio tem influência significativa sobre o crescimento mediante alargamento da pelve, estimulando o desenvolvimento das mamas e aumentando a deposição de gorduras, particularmente nas coxas e no quadril. Esse aumento de gordura nessas regiões são decorrentes da atividade de uma enzima chamada lipase lipoprotéica. Ela controla o armazenamento de gordura no tecido adiposo.

Quando a atividade desta enzima é elevada, os triglicerídios são hidrolizados e transportados para o interior dos adipócitos (células de gordura) e acumulados.
A testosterona gera o aumento na formação óssea, a qual acarreta ossos mais largos, assim como: aumento da síntese protéica com aumento da massa muscular. Responsável pelas características masculinas, funções sexuais e desempenho.

A concentração plasmática de testosterona varia de 300 a 1.000 mg/dl e a taxa de produção diária de 2,5 a 11mg. Nas mulheres esse hormônio também é produzido pelas glândulas supra-renais e ovários, porém em menores quantidades 0,25 a 1mg/dia.
As mulheres são menos prejudicadas que os homens, no quesito barriga saliente. Por determinações hormonais os homens acumulam maior volume de tecido adiposo na barriga. Para elas, perder gordura localizada no abdome é mais fácil que diminuir medidas nos quadris e culotes.
Um estudo britânico sugeriu que acumular gordura na região dos quadris, bumbum e coxas pode ser saudável, protegendo contra problemas cardíacos e metabólicos.
Segundo os pesquisadores da Oxford University, essa proteção proveniente da gordura no quadril seria explicada porque nessa região a gordura absorve ácidos graxos e contém um agente anti-inflamatório que impede a obstrução das artérias.

O artigo publicado na revista científica International Journal of Obesity afirma ainda, que ter bumbum grande é melhor que acumular essa gordura na região da cintura que não oferece esse tipo de proteção.

Fonte: Sauin

 

Anúncios

Campinas ganha clínica particular com preços populares

jun9

A Clínica Dr. Campinas, que promete oferecer atendimento particular de saúde a preços populares, abre na próxima segunda-feira (26) sua unidade no Parque D. Pedro Shopping.

Valores não foram divulgados pela empresa, mas a promessa é de cobrar do usuário o preço que médicos, laboratórios e clínicas costumam receber dos planos de saúde.

O objetivo é dar oportunidade à população de se consultar com especialistas e fazer os exames disponíveis no próprio local por preços bem acessíveis, o que contribuirá para uma maior agilidade nos procedimentos e diagnósticos de doenças.

Somente em Campinas, mais da metade da população não possui planos de saúde e o panorama fica ainda pior em algumas cidades da região como, por exemplo, Hortolândia, onde este número atinge 70%.

“Em muitos casos, depois de passar pelo atendimento nos hospitais municipais, postos de saúde e INSS, o paciente perde um tempo considerável e tem despesa extra, principalmente com transporte, para conseguir realizar os exames. É aí que entramos para dar maior agilidade ao processo. As pessoas sabem aonde ir para serem bem atendidas”, lembra o diretor da Clínica, Rogério Melotti.

A clínica contará com 23 consultórios e um laboratório de análises clínicas. Entre as principais especialidades disponíveis no local estão ortopedia, ginecologia e obstetrícia, pediatria, oftalmologia, dermatologia, medicina da família, urologista, clínico geral, psicologia e psiquiatria.

“Será preciso agendar a consulta, mas caso o paciente venha sem marcar, será também atendido, mas vai depender da disponibilidade da agenda do médico”, diz Melotti.  No local também estarão disponíveis exames laboratoriais e de imagem (raios-X, mamografia, ultrassom, ressonância magnética e densitometria óssea).

Outro ponto positivo é a facilidade de estacionamento e o horário de funcionamento, sobretudo para quem trabalha.  A clínica funcionará de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h, e aos sábados, das 7h30 às 19h30. Após a consulta, o retorno poderá ser feito em até 28 dias.

FONTE: A CIDADE ON
JUN8http://www.acidadeon.com

Inclua legumes na alimentação das crianças

Legumes podem prevenir doenças, ajudar na digestão, são antioxidantes, além de serem grande fonte de vitaminas. Mas como fazer seus filhos adquirirem esses benefícios? Veja neste artigo.

Os legumes são fonte de vitamina, e muitos deles previnem doenças, mas a tarefa mais difícil é fazer com que a família consuma esses alimentos. Uma alternativa diferente é fazer sucos que contenham legumes e tragam grandes benefícios.

Primeiramente, lembre-se de lavar bem seus alimentos. E a seguir veja a lista de 6 receitas de sucos com legumes e seus devidos benefícios:

SUCO DE MAÇÃ COM COUVE E CENOURA

Ingredientes: 1/2 cenoura, 1 folha de couve, 2 galhos de salsinha, 1 maçã, 200ml de água.

Modo de Preparo: Bata tudo no liquidificador, coe e sirva.

Benefícios: Fonte de vitamina A, antioxidante, evita a gordura nas paredes arteriais, elimina mais rapidamente as toxinas do corpo.


SUCO DE BETERRABA COM MAÇÃ E GENGIBRE

Ingredientes: 1 beterraba média, 1 maçã pequena, 3 raspas de gengibre.

Modo de Preparo: Tire a casca da maçã, bata todos os ingredientes no liquidificador, coe e sirva.

Benefícios: Fonte de vitaminas A, B6 e C, aumento da imunidade, ação anti-inflamatória, previne o envelhecimento precoce, auxilia o funcionamento do sistema digestivo, previne o desenvolvimento de doenças, como o câncer.


SUCO DE CENOURA COM ALFACE E MAÇÃ

Ingredientes: 2 cenouras, 1/3 alface americana, 3 maçãs, 1 colher (chá) de ginseng em pó.

Modo de Preparo: Coloque a alface, as cenouras e as maçãs na centrífuga, adicione o ginseng e misture. Coe e sirva.

Benefícios: Rico em vitamina C, antioxidante, ajuda na digestão, reduz o risco de doenças cardíacas, AVC e catarata, aumento no nível de atenção e concentração.


SUCO DE PIMENTÃO COM MAÇÃ E LARANJA

Ingredientes: 1 pimentão vermelho, 3 maçãs, 2 laranjas.

Modo de Preparo: Descasque o pimentão e despeje-o na centrífuga, seguido pelas maçãs. Esprema as duas laranjas, misture, coe e sirva.

Benefícios: Ajuda na diminuição de doenças cardiovasculares, regula a pressão arterial, desintoxicante, contém vitamina A, combate infecções.


SUCO DE COUVE COM CENOURA, GENGIBRE, PEPINO E LARANJA LIMA

Ingredientes: 1 cenoura, 2 dedos de raiz de gengibre, 1 pepino, 1 folha de couve manteiga, 1 laranja lima.

Modo de Preparo: Bata no liquidificador a cenoura, o gengibre, o pepino e a couve. Esprema o suco de laranja lima, despeje, bata novamente, coe e sirva.

Benefícios: Fonte de vitamina C, betacaroteno e fibras, ajuda na prevenção do câncer de colo e de mama, combate a celulite, elimina toxinas do organismo.


SUCO DE TOMATE COM CENOURA, PIMENTA E LARANJA

Ingredientes: Tomate, 2 cenouras, 1/2 pimenta dedo-de-moça verde, 2 laranjas.

Modo de Preparo: Faça 100ml de suco de tomate e reserve. Esprema as laranjas e reserve. Tire as sementes da pimenta e coloque-a na centrífuga com as cenouras. Misture com os sucos de tomate e de laranja, coe e sirva.

Benefícios: Reduz o risco de câncer de próstata, previne o AC, infarto agudo do miocárdio e bronquite, estimula a perda de peso.


Use essas receitas que toda a família se manterá saudável, além de ingerir os nutrientes necessários.

Fonte: Família.com.br

Atitudes tão importantes para a saúde quanto a boa alimentação

Ter noites de sono de qualidade, mastigar bastante os alimentos e até respirar de maneira controlada são essenciais para a manutenção do bem-estar

Seguir uma alimentação equilibrada (com muitos produtos in natura ou minimamente processados) em todas as refeições e evitar os industrializados são os dois dos mandamentos mais importantes que a nutricionista Gisela Savioli levanta no livro Desafio do Bem – 30 Dias (Edições Loyola, R$ 36, 152 páginas). “De acordo com diversos artigos científicos já publicados, todo alimento in natura é uma ‘farmácia’ em termos de nutrientes e compostos bioativos. Quando associamos esses alimentos criamos a chamada sinergia”, explica a especialista.

Mas não só de um prato bem colorido se faz um organismo saudável! Na publicação recém-lançada, a nutricionista clínica especializada em Saúde da Mulher no Climatério aponta outros cinco hábitos que não são considerados nutrientes, mas contam para seu corpo como se fossem (já que proporcionam muitos benefícios). Confira quais são as atitudes espertas que você deve adotar desde já:

Dormir bem

Os especialistas são unânimes: o descanso está sendo considerado como um importante nutriente para o corpo. “Quando dormimos, nosso organismo tem a oportunidade de reparar danos ocorridos durante o dia, além de produzir hormônios importantes que, inclusive, nos fazem emagrecer”, fala Gisela.

Respirar de forma controlada

Muitas vezes em que estamos com o sistema nervoso desequilibrado, a respiração correta é capaz de reverter a situação. “Minha sugestão é repetir quadro vezes seguidas o seguinte: inspirar em quatro tempos, segurar a respiração por sete segundos, e expirar em oito tempos”, fala Gisele. A especialista garante que você será invadida por uma calma incrível!

Mastigar com calma

O desafio é grande: mastigar 30 vezes qualquer alimento antes de engolir. Precisamos disso para produzir saliva, que contém a primeira linha de defesa do nosso organismo e é uma promotora de crescimento para as células do seu intestino. “Mastigar bem é sinônimo de uma parede intestinal saudável”, comenta a nutricionista.

Andar mais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza dar pelo menos 10 mil passos por dia, como hábito de higiene. “Caminhar é uma limpeza de dentro para fora. Você não imagina quantas substâncias do bem seu corpo produz enquanto andamos”, fala Gisele. Para saber se você está no caminho certo, use um podômetro (contador de passos), de preferência.

Hidratar-se

A conta dos dois litros de água por dia continua valendo. “Um deles deveria vir da água de boa qualidade e, o restante, dos alimentos, como os de origem vegetal”, fala a especialista. Só um cuidado: não tente chegar na sua conta bebendo durante as refeições, para não atrapalhar a digestão. “Sempre recomendo tentar tomar pelo menos três copos de água no período da manhã.”

Fonte: Boa Forma

Uma em cada três mulheres tem osteoporose em todo o mundo

Fora as mulheres que desconhecem a existência da osteoporose, a doença afeta uma em cada três com mais de 50 anos no mundo todo.

Segundo levantamento da IOF (Fundação Internacional de Osteoporose, em tradução livre), a osteoporose afeta uma em cada três mulheres com mais de 50 anos em todo o mundo, fora as muitas que desconhecem a existência da doença. O problema se caracteriza pela perda de massa óssea e deterioração esquelética, o que deixa os ossos mais frágeis e suscetíveis a fraturas.

Como é uma doença que se mantém silenciosa e não causa dor, geralmente só é identificada após a primeira fratura, mesmo sendo possível diagnosticá-la precocemente por meio do exame de densitometria óssea. Porém, de acordo com o levantamento, apenas 39% das mulheres com 45 anos ou mais já se submeteram ao exame. Desse número, 37% o fez somente uma vez.

Para o Dr. Marcelo Pinheiro, diretor da Abrasso (Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo), o baixo número de adesão ao exame é reflexo da falta de preocupação com a doença e de orientação por parte dos médicos.

“É preciso fazer esse exame na mesma frequência que os preventivos ginecológicos. Falta uma campanha incentivando o diagnóstico precoce da doença e, principalmente, uma preocupação maior vinda dos próprios médicos”.

O ideal é que a densitometria óssea seja realizada anualmente a partir dos 40 anos, principalmente pelas mulheres que começam a entrar na menopausa — período em que a produção do hormônio estrogênio, responsável pela crescimento de todos os ossos, acaba diminuindo. Apesar de a doença ser mais comum entre os mais velhos, a osteoporose pode afetar pessoas de todas as idades e também do sexo masculino.

Fonte: Drauzio Varella

A importância de praticar atividade física na gravidez

Exercícios na gestação, inclusive na reta final dos nove meses, só trazem ganhos. E é uma pena – para a mãe e para o filho – que muita gente não se dê conta disso.

Ninguém ousa discutir os benefícios da atividade física, mas, quando a mulher engravida, não faltam mães, tias e avós prontas para recomendar vivamente que a futura mamãe pegue bem leve – ou que, no máximo, faça uma caminhadinha. Uma pena. As gestantes podem e devem tirar proveito dos conhecidos efeitos positivos dos exercícios. Para elas, mexer-se traz ainda outro ganho: o risco de um parto prematuro cai pela metade.

Isso é o que revelou um estudo conduzido pelo professor de educação física Marlos Domingues na Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Ele avaliou o perfil de absolutamente todas as mulheres que deram à luz na cidade gaúcha em 2004 – algo em torno de 4 mil mães. A proporção de partos antes do programado foi menor entre as que se exercitaram durante toda a gestação e, principalmente, no terceiro trimestre, justamente o período em que as grávidas costumam reduzir o ritmo.

Enquanto alguns fatores de risco para a prematuridade vêm diminuindo – caso do tabagismo -, outros aumentam assustadoramente, caso da obesidade, do diabete gestacional e da pré-eclâmpsia. “Esses fatores, junto com a obesidade, podem ser minimizados com a atividade física”, lembra Marlos Domingues para justificar o achado.

Só vantagens

Antes de mais nada, que fique bem claro: cada grávida é uma grávida e a última palavra é sempre a do obstetra. Só ele pode dizer o que a paciente tem condições de fazer. Mas, com o sinal verde, a gestante ganha, e muito, se largar o sedentarismo. Engorda menos, não sofre tanto com dores nas costas e nas pernas graças ao fortalecimento da musculatura e tem menos risco de desenvolver diabete gestacional e hipertensão. Sem contar a melhora no condicionamento e no alongamento, o que facilita por tabela o trabalho de parto. Aliás, um mito precisa ser derrubado: longe de se tornar mais frágil, a futura mãe vira uma espécie de supermulher. Ela tem mais sangue em circulação, ganha flexibilidade, alguns sentidos se aguçam. “Tanto que a gravidez é considerada uma espécie de doping no meio esportivo”, compara Marlos Domingues.

Em princípio, não há nenhuma contraindicação para os exercícios nessa etapa da vida. E isso vale até para as sedentárias inveteradas. “Para elas, por se tratar de um período de intensa adaptação do organismo, vale mais do que nunca a regra de começar aos poucos e fazer uma atividade mais leve, como natação, hidroginástica, ioga, caminhada”, lembra Nilka Donadio, ginecologista e obstetra da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana. Nesse caso específico, os médicos são praticamente unânimes: as mulheres sedentárias só devem dar a largada após o terceiro mês de gestação, quando o embrião já se implantou. “Aí, há menos risco de aborto”, justifica o ginecologista e obstetra Claudio Bonduki, da Universidade Federal de São Paulo.

Quanto às grávidas que já eram assíduas de quadras e academias, elas só precisam fazer um ajuste no ritmo e na intensidade – mas em geral podem manter todas as modalidades com as quais estavam habituadas, até mesmo a corrida. “A intensidade é que deve ser inversamente proporcional ao tempo da gestação”, nota o ortopedista Ricardo Cury, da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, lembrando que no fim da gravidez o barrigão pode, sim, incomodar – e pesar inclusive sobre as articulações. O fato é que carregar de 10 a 15 kg a mais, sofrer com inchaços e insônia e ainda ter que lidar com as oscilações de humor talvez não seja nada fácil, por mais que se pregue que é esse o tal momento mágico na vida de toda mulher.

“Não há uma pílula para combater os transtornos típicos do período”, diz Marlos Domingues. “Os exercícios, sim, é que podem ser um santo remédio”.

Fonte: MdeMulher

Cerca de 80% das mulheres terão infecção urinária

A doença é bem comum e atinge 80% das mulheres ao longo da vida.

Infecção urinária ou cistite é uma doença comum que acomete 80% das mulheres ao longo da vida. Desse total, cerca de 30% podem desenvolver infecção urinária de repetição, caracterizada pela ocorrência de pelo menos dois episódios nos últimos seis meses.

Para explicar mais sobre o assunto, o urologista Claudio Murta, Coordenador do Centro de Referência em Saúde do Homem do Hospital de Transplantes Euryclides de Jesus Zerbini (unidade da Secretaria de Estado da Saúde que, apesar do nome, atende também mulheres), conta quais são os principais sintomas, se a doença é transmissível e explica por que ela atinge mais o sexo feminino.

O que é infecção urinária e por que ela acontece?

É a ação de uma bactéria que entra pelo canal da uretra e vai até a bexiga, provocando inflação do órgão e contaminação da urina. Esse microorganismo atua de forma benéfica no trato intestinal, mas quando entra em contato com o sistema urinário torna-se nocivo e causa desconforto ao paciente.

Por que acomete mais às mulheres?

Devido a uma questão anatômica. A uretra feminina é mais curta, o que facilita a chegada da bactéria até a bexiga. Além disso, ela fica próxima da vagina e do ânus, uma área bastante suscetível à presença de bactérias.

É importante urinar depois do sexo?

Sim, porque quando urinamos nós automaticamente lavamos a bexiga. A entrada da bactéria na bexiga é favorecida por tudo que a empurre na direção do órgão, como o próprio ato mecânico da relação sexual.

É transmissível?

Não. A bactéria é do próprio corpo do indivíduo e não é repassada.

Quais os principais sintomas?

Dor no baixo ventre e na hora de urinar, liberar pouca urina, vontade frequente de ir ao banheiro, e odor da urina mais forte.

Como se prevenir?

Ingerir bastante líquido ao longo do dia, cerca de um 1,5 litro de água, higienizar a área genital antes e depois da atividade sexual e, ao higienizar a vulva e região perianal, limpar sempre no sentido da frente para trás, com objetivo de evitar que bactérias passem do ânus para a vagina.

Tratamento

É feito por meio de antibióticos.

Fonte: Drauzio Varella